terça-feira, agosto 20

Análise – Tate no Yuusha no Nariagari – Episódios 02 ao 04 – O Herói do Infortúnio

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Os animes da temporada de Inverno de 2019 continuam e vamos saber se Tate no Yuusha no Nariagari conseguiu manter a qualidade de seu primeiro episódio!

Nessa análise irei comentar dos episódios 02 ao 04, valendo lembrar que a partir daqui teremos spoilers até o momento atual do anime.

Já que apresentei o plot central da série na análise da season première, irei me ater apenas aos principais acontecimentos de cada episódio, até para não termos um artigo enorme e cansativo haha.

Raphtalia

O segundo episódio serve para apresentar Raphtalia, uma demi-humana que viria ser a companheira de Naofumi nessa aventura. No final do primeiro episódio vemos nosso protagonista indo comprar uma escrava para compensar sua fraqueza de não poder utilizar nenhuma arma. Deixando de lado o fato disso ser certo ou não, naquele momento é a única saída que o herói vê.

Agora vemos um Naofumi muito mais preocupado em sobreviver e principalmente mais cauteloso com as pessoas a sua volta. Todo o episódio serve para apresentar a interação do protagonista com a nova companheira. Naofumi ainda age de forma fria, porém não maltrata Raphtalia de nenhuma forma, apesar de ainda força-la a lutar nesse primeiro momento, afinal ele se vê em um beco sem saída.

Durante o episódio vemos a evolução do relacionamento dos dois, mas Raphtalia, por vezes, demonstra uma aversão a luta. É contado que ambos os pais da escrava são mortos na primeira onda de ataques dos demônios o que acaba criando um trauma na demi-humana. Apesar das atitudes frias de Naofumi ele a trata da melhor, a alimenta e cura de sua doença, o que faz com que cada vez mais Raphtalia se apegue ao protagonista. Aqui não vejo de forma romântica, mas muito mais como uma relação de irmão e irmã nascendo.

Escudo da corda? What?

O final desse episódio cria mais uma vez um clímax empolgante, onde Raphtalia é obrigada a decidir se irá lutar de forma espontânea por seu mestre ou irá abandonar Naofumi. Ao superar seu medo pela luta, Raphtalia salva o Herói do Escudo por sua própria vontade. O que acaba trazendo nosso protagonista, aos poucos, de volta a luz.

A “onda”

O terceiro episódio é responsável por apresentar pela primeira vez a tal “onda” de ataques dos demônios. Agora com uma Raphtalia de aparência mais adolescente e os níveis de ambos crescendo gradualmente. Uma das melhores partes desse anime é acompanhar a evolução tanto de Naofumi quanto de sua companheira, que por ser uma demi-humana tem um crescimento físico muito avançado.

Loli permitida?

Vemos a interação de Naofumi com os demais heróis nesse episódio pela primeira vez desde que a traição acontece. Malty continua aliada do Herói da Lança e a forma em que nosso protagonista é tratado pelos demais personagens aumenta ainda mais nossa raiva e a vontade de ver Naofumi dando a volta por cima. Devo admitir que a fórmula que o anime traz é muito boa.

Heróis na torre do relógio

Durante o ataque, que acontece logo após o encontro com os demais heróis, vemos o céu se tornar vermelho e os protagonistas serem teletransportados magicamente para o campo de batalha. Os demônios aparecem de portais do céu e atacam as cidades aleatoriamente, ou pelo menos é o que parece.

Os outros heróis correm para derrotar o “boss” dessa onda de ataques, ignorando os vilarejos ao redor que estavam sendo dizimados pelos demônios mais fracos. O Herói do Escudo se vê obrigado a lutar para defender o vilarejo de Lute. Naofumi ainda tenta forçar esse ar indiferente e frio para com os outros, mas é aparente a bondade que ele possui e isso fica ainda mais forte com Raphtalia ao seu lado.

Devo admitir que esperava mais da animação dessa batalha, até porque estamos falando de uma anime de aventura, queremos ver lutas épicas e bem animadas. Mas de novo o anime não falha em entregar seu ápice, onde vemos a conclusão da “onda”. Naofumi consegue defender de forma brilhante a vila de Lute e, mais uma vez, Raphtalia consegue demonstrar sua devoção ao seu mestre, que agora não se utiliza da maldição de escrava para interagir com sua companheira.

O Herói do Infortúnio.

O quarto episódio é o meu favorito até o momento, e talvez isso se dê pela luta épica entre o Herói do Escudo e Lança que acontece. E claro pelo resultado dessa luta!

Os quatro heróis seguem para o castelo para receber suas recompensas por terem repelido a onda de ataques do episódio passado. Durante o baile de comemoração vemos Malty tramar para cima do nosso Herói do Escudo mais uma vez. Ela revela a Motoyasu que Naofumi mantém uma uma escrava como companheira e guiado por um senso de justiça distorcido o Herói da Lança desafia o Escudo para um duelo valendo a liberdade de Raphtalia, mesmo sem a mesma ter pedido isso.

Nesse momento finalmente vemos o que queremos desde o início: Naofumi esfregando a cara do seu algoz no chão de forma épica. Podemos ver o quanto o Herói do Escudo é versátil e o quanto nosso protagonista conseguiu evoluir em tão pouco tempo. O Escudo absorveu tantas habilidades que mal podemos contar. As infinitas possibilidades desse Escudo somadas a perspicácia de Naofumi o tornam um oponente difícil de lidar.

Me dê mais disso!

Mas não considero a luta em si a melhor parte desse episódio. Naofumi consegue humilhar Motoyasu de forma brilhante e quando estava prestes a finalizar é atingido por uma magia vinda de fora do ringue. Malty havia conjurado um feitiço de vento que o acertou em cheio. Atordoado pelo ataque surpresa, o Herói da Lança aproveita a brecha para desferir um golpe definitivo que derruba nosso protagonista.

Nesse momento vemos o Heróis do Escudo cair em desespero mais uma vez, sofrendo uma injustiça talvez maior que da primeira vez e de novo se vê sozinho no mundo. O selo de escravidão de Raphtalia é retirado dela e Naofumi cai no escuro novamente.

Podemos ver que algo maligno começa a despertar de Naofumi, talvez devido aos seus sentimentos naquele momento, mas quem o salva do completo desespero é Raphtalia. Ele tenta expeli-la, pois sua confiança nas pessoas foi mais uma vez quebrada. A demi-humana consegue tocar o coração de Naofumi, que percebe a inquebrável lealdade de sua companheira. De novo não consigo ver um relacionamento romântico entre os dois, mas é lindo ver a forma como os dois se respeitam e os laços inquebráveis se restabelecendo.

Herói do Infortúnio, mas nem tanto.

Após a luta, os Heróis da Espada e do Arco aparecem em defesa de Naofumi. O Rei havia ordenado que os súditos não abrissem a boca em relação a infração de Malty, mas ainda assim podemos ver um certo senso de justiça nos dois.

Atualmente o anime está se focando somente na evolução de Naofumi, mas em alguma hora também vamos querer ver sobre a jornada dos outros Heróis.

 

9.0 Excelente!

Os episódios seguintes de Tate no Yuusha conseguem seguir o sucesso de sua première. Mesmo desapontando na animação em alguns momentos o anime consegue entregar os clímax de forma eficaz, conseguindo prender seu público.

  • 9
  • Nota dos usuários (1 Votes) 10
Compartilhe:

Sobre o autor

22 anos, formado em Propaganda e Marketing. Assistente de Conta em uma Agência de Publicidade. São Paulo - SP. Apreciador da cultura nipônica, além dos animes e mangás tenho vários hobbies como fotografia, escrever e games. PLUS ULTRA!

1 comentário

  1. Pingback: Análise - Tate no Yuusha no Nariagari - Episódio 17 - Uma Promessa Feita

Deixar uma resposta