quarta-feira, maio 5

Análise – Tate no Yuusha no Nariagari – Episódio 15 – Raphtalia

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

O que estão achando da história do Herói do Escudo até agora? Me pergunto quantas pessoas ainda continuam assistindo até aqui. Sem mais delongas, vamos à análise do episódio 15 de Tate no Yuusha.

O Passado de Raphtalia

Tate no Yuusha é um anime que se importa com o desenvolvimento de seus personagens principais. Até episódio passado achava que o único desenrolar do passado de Raphtalia já tinha sido revelado. Todavia, para nossa surpresa, teremos mais um capítulo focado nessa personagem fantástica que é nossa demi-humana.

Anteriormente ficamos sabendo que Raphtalia vivia em um vilarejo somente de demi-humanos, que era protegido pelo Lorde da região. Porém, com a chegada da primeira onda, essa pessoa veio a morrer e a vila eventualmente foi atacada por pessoas que odiavam demi-humanas. Mais uma vez vemos o quão bem trabalhado é o mundo de Tate no Yuusha, sinto que é uma história que não tem fim.

Começamos o episódio 15 com uma lembrança de Raphtalia: o surgimento da primeira onda. Somos apresentados a Rifana, outra demi-humana que era amiga de infância de dela. E ao mesmo tempo podemos perceber que ainda crianças elas já eram bem próximas do Herói do Escudo.

Raphtalia de volta a infância *-*

A escolha de Raphtalia

Raphtalia confronta Idol, aparentemente o Lorde que a sequestrou na infância. Julgando pelas falas da demi-humana podemos perceber que Idol é um homem completamente detestável. E, ao que tudo indica, não somente Raphtalia, mas ele também sequestrou e torturou muitos outros demi-humanos.

Assim como Raphtalia é a consciência de Naofumi em momentos de descontrole, vemos o contrário nesse episódio. Tomada pela raiva, a demi-humana fica prestes a matar o homem que a feriu no passado. Naofumi surge para para-la e ela escolhe poupar a vida de Idol.

Gosto muito de ver essa sinergia entre esses dois personagens. Ambos possuem feridas muito profundas que acabam sendo curadas um pelo outro. Ainda assim, não vejo um desenvolvimento romântico entre esses dois, porém é muito bom ver que são personagens que se completam.

Esses dois S2

Entretanto, Idol se sente insultado pelas ações da demi-humana e, mesmo em desvantagem, avança contra Raphtalia. A demi-humana consegue contra-atacar e, por acidente, o Lorde tropeça e cai pela janela. Podemos perceber que Raphtalia se sente culpada, mas Naofumi reforça que a culpa da morte dele não foi dela.

Memórias do passado

Para confrontar seu passado, Raphtalia decide descer ao calabouço onde era torturada no passado. Ao mesmo tempo em que desce temos acesso as memórias da demi-humana. Mesmo sobrevivendo a primeira onda, a vila de Raphtalia estava totalmente destruída e, embora os pais mortos, Raphtalia consegue juntar forças para convencer a vila a recomeçar.

Enfim, vemos como Raphtalia foi parar nas mãos de Idol. Após perder o apoio dos nobres que protegiam os demi-humanos, a vila foi atacada pelos soldados reais e Raphtalia, junto de Rifana, foram vendidas como escravas. Podemos perceber que o calabouço foi feito especialmente para torturar demi-humanos.

A escuridão do Reino

Mesmo após sofrer com diversas torturas, Raphtalia não perdia a esperança ou o sorriso do rosto. Ela também ajudava Rifana a passar pelas torturas e ficavam imaginando que um dia o Herói do Escudo iria salva-las. Ao final Raphtalia foi vendida novamente e deixou Rifana para trás.

Todo esse episódio foi construído para mostrar a corrupção do Reino e principalmente mostrar o passado sofrido de Raphtalia. Mas não somente isso, como também para explicar como essa sociedade como um todo funciona. Tate no Yuusha, mais do que ação, preza pelas intrigas politicas e apresenta isso ao telespectador de forma exemplar. O episódio serve para que nós tenhamos o mesmo sentimento de Naofumi: tristeza e raiva contra essa sociedade.

Passou dos limites

O triste desfecho

Dentro do calabouço havia alguns sobreviventes demi-humanos! Raphtalia se reencontra com mais um de seus amigos de infância: Keel. Aparentemente ele havia sido separado dela e foi parar nas mãos de Idol posteriormente.

Keel-kun

Como já havíamos imaginado, os demi-humanos sentem um carinho a mais pelo Herói do Escudo e o trata como uma lenda. Mais que todos, Raphtalia e Rifana meio que “endeusavam” Naofumi.

Infelizmente, logo ficamos sabendo o que aconteceu com Rifana. A demi-humana não aguentou as constantes torturas e morreu em sua própria sela. Temos novamente essa inversão de personagens entre Naofumi e Raphtalia. Ela estava prestes a se perder em tristeza e raiva quando o Herói do Escudo aparece para salva-la. Ao ouvir suas palavras a demi-humana consegue se erguer mais uma vez.

Acho que finalmente temos um desfecho para os remorsos do passado de Raphtalia. Mesmo se sentindo culpada por não conseguir salvar seus colegas e por ter matado uma pessoa, Naofumi compreende e aceita Raphtalia por completo, assim como ela já o fez por ele.

Enfim o desfecho

E assim a demi-humana conseguirá seguir em frente junto de nosso protagonista!

Prólogo

Ao final desse episódio Naofumi e sua turma se preparam para deixar a mansão. Ao sair para o jardim, pela nossa surpresa, Idol não havia morrido com a queda e, convenientemente, retorna para fazer mais uma ação contra nossas protagonistas.

Idol usa um ritual para quebrar um selo antigo. Ao que parece esse selo estava suprimindo um monstro que nem mesmo os quatro heróis anteriores conseguiram derrotar juntos.

O boss fora da Onda

Enfim, como Idol conseguiu desfazer esse selo será um eterno mistério! Como será que nosso herói irá escapar dessa?

8.0 Bom

Temos mais um episódio focado no desenvolvimento de personagens. Tate no Yuusha ainda se destaca muito pelo nível de detalhes que é colocado na criação desse mundo e principalmente por apresentar, de forma emocionante, os problemas que essa sociedade possui.

  • 8
  • Nota dos usuários (2 Votes) 8.7
Compartilhe:

Sobre o autor

22 anos, formado em Propaganda e Marketing. Assistente de Conta em uma Agência de Publicidade. São Paulo - SP. Apreciador da cultura nipônica, além dos animes e mangás tenho vários hobbies como fotografia, escrever e games. PLUS ULTRA!

Deixar uma resposta