quinta-feira, junho 17

Análise – Tate no Yuusha no Nariagari – Episódio 11 – A catástrofe

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

O que estão achando do anime até agora? Vamos para a análise de Tate no Yuusha episódio 11 e ver os resultados da segunda “Onda”!

A segunda “Onda”

Começamos o episódio com os nossos protagonistas se preparando para o novo ataque de demônios. Entretanto, devo admitir que não achei que ia demorar tanto para chegar essa nova “onda”. E esse grande desenvolvimento que vemos nos episódios de transição, entre uma onda e outra, é muito bem vinda.

Afinal temos um anime que não demonstra preocupação nenhuma em desenvolver história. Ao meu ver, acredito que seja bom ao todo, desenvolvimento de personagem nunca é de mais!

Além de vermos um grande estoque de poções curativas, típico de jogos de RPG, Naofumi presenteia Raphtalia e Filo com os adornos ele “craftar” alguns episódios atrás. Como havíamos previsto esses itens não seriam apenas para decoração. Sendo assim, o presente da demi-humana possui magia que aumenta a geração de manda, assim como o presente de Filo possui o consegue aumentar a agilidade da filolial. Um pai quando de suas filhas ou vamos ver um desenvolvimento maior?

Cadê o anel?

Finalmente a onda começa e Naofumi e toda sua party são teletransportados para o local que irá ocorrer o ataque. O que será que essa “onda” nos aguarda? Tivemos muitos episódios de transição, onde só vemos a evolução de nosso protagonista. Todo o desenvolvimento da história até agora faz nos perguntar o que será diferente.

O protetor do Reino

Então o Herói do Escudo parte para proteger a vila adjacente do ataque dos demônios enquanto os demais Heróis correm para derrotar o boss daquela “onda”. Durante a jornada de Naofumi temos alguns desenvolvimentos interessantes. Vemos uma velinha derrotando os demônios com apenas um golpe e descobrimos que ela foi salva por um dos remédios milagrosos dele. Enfim, é bem legal que toda história que acompanhamos até agora não foi de graça. As ações de Naofumi possuem muito peso em momentos futuros.

Podia entrar para a party, né? haha

Naofumi e sua party conseguem proteger a vila com perfeição, porém percebem que mesmo após 3 horas, a “onda” não está desaparecendo. Todavia, percebendo que se o ataque não cessar a vila continuará sofrendo, o Herói do Escudo deixa a proteção da população com seus novos companheiros e parte para a luta principal! Agora sim vai!

Uma pausa para elogiar a animação do episódio. Vale lembrar que não estamos falando de uma Ufotable da vida, porém a Kinema Citrus consegue fazer um bom trabalho nas cenas de ação desse episódio. Até o momento acredito que o forte do anime não sejam as batalhas em si, mas as intrigas politicas e mistérios que somos apresentados, no entanto é bom ver que estão dando atenção também as lutas.

Se tornando protagonista

Naofumi chega ao campo de batalha principal, onde os outros Heróis estão demonstrando muita dificuldade em combater os demônios. Nos deparamos com um navio enorme sobrevoando a cabeça do nosso protagonista.

Ao que parece, para liberar o boss da “onda”, que é chamado nesse episódio de soul eater, é necessário derrotar um sub-boss. Ren e Motoyasu, que aparecem dentro do navio, estão atacando inimigos diferentes e entram em convergência de quem seria esse sub-chefe. O Herói da Lança estava atacando um Kraken e o Herói da Espada o capitão do Navio. Sem contar o Herói do Arco que estava do lado de fora do navio achando que o sub-boss era uma estátua.

Finalmente a luta principal!

Vendo que os outros Heróis estavam no estilo “Três Trapalhões”, Naofumi decide intervir na batalha. É muito visível que eles ainda vem esse mundo como um jogo e não tratam as pessoas daquele universo como “humanas”. São praticamente três crianças que foram invocados para serem os salvadores. E por não terem as mesmas vivências de Naofumi naquele mundo, não conseguem ver as mortes que estão causando. Talvez Naofumi agiria da mesma forma se não fosse o que aconteceu ou se fosse o Herói de outra arma.

Vemos pela primeira vez o Herói do Escudo tomar a iniciativa da batalha e percebe que há algo escondido nas sombras dos inimigos. Raphtalia utiliza sua magia de luz para revelar o soul eater. Vamos ao clímax desse episódio!

O desfecho da “Onda”

Naofumi consegue liberar o boss da “onda”, que acaba por ser um demônio dimensional, no mesmo momento que Itsuki se junta a batalha.

Os outros três Heróis juntos não conseguem dar conta do demônio, então Naofumi precisa interferir na batalha. O que me faz pensar que de fato o Herói do Escudo é o único que presta. Os demais, além de serem babacas não conseguem demonstrar poder algum.

Mesmo que Naofumi consiga colocar o demônio contra a parede, ele percebe que para derrota-lo iria tomar muito tempo. Mesmo no meio na maior batalha que já presenciou, ele ainda pensa na segurança do vilarejo, que se encontra logo abaixo. Caso o ataque demorasse para se encerrar, seus companheiros não iriam conseguir continuar protegendo os cidadães. Então Naofumi decidi usar sua arma mais poderosa: O Escudo da Fúria.

Ao que parece, Naofumi agora consegue liberar o Escudo da Fúria quando desejar, o que não quer dizer que ele já consegue controlar totalmente seu poder. O interessante é que ao ativar seu poder dessa vez temos um novo elemento em seu escudo. O cristal de dragão que Filo engole uma parte e a outra da à Naofumi age em conjunto com o Escudo da Fúria. Toda a raiva do Dragão derrotado ressoa em Naofumi aumentado sua força consideravelmente.

Os resultados das suas ações!

O Escudo das Maldições, de novo…

Filo também é afetada pelo Escudo da Fúria, creio que seja pelo cristal do Dragão que ela engoliu, mas como tudo nesse anime, não temos explicação de nada. Pode ser também que o Escudo tenha a função de agir sobre seus companheiros. Vemos mais dúvidas sendo levantadas, que espero que sejam respondidas ao longo da série.

Naofumi consegue suprimir o boss com ajuda de Filo e dos outros Heróis, que entram na luta quase que na força. Acho que nem vale comentar a participação da Malty. Aliás, sempre age como um personagem sobressalente, uma pena, pois teria o potencial de ser uma ótima vilã.

Enfim, sempre temos a Raphtalia ajudando nosso protagonista, mais no campo mental do que na batalha em si. Ela ajuda Naofumi a recobrar a consciência toda vez que o Escudo das Maldições ameaça tomar seu corpo. E nesses momentos que o desenvolvimento romântico entre eles funciona, um sempre se apoiando no outro.

Para derrotar o demônio, Naofumi invoca um novo Escudo: Iron Maiden. Uma caixa metálica desce do céu e engole o inimigo. Me lembrou muito os sumons de Final Fantasy, invocações que veem do céu para ajudar na batalha. Esse novo poder consegue derrotar o demônio e ao que parece seria o fim da “onda”.

Alguém mais lembrou da banda?

A vilã misteriosa

Os outros Heróis ficam espantados pelos poderes do Escudo e parece que finalmente reconhecem o potencial de Naofumi.

Porém a “onda” não desaparece.

Enfim o demônio dimensional volta e para o espanto de todos é derrotado com apenas um golpe. Uma mulher, de kimono preto, surge na frente dos nossos Heróis e se apresenta como, Glass. Entretanto, é visível que o nível de poder dessa pessoa em relação aos outros é bem maior. O interessante é que ela reconhece apenas Naofumi como Heróis, até porque os outros não tiveram reação contra o inimigo que ela havia derrotado com apenas um golpe.

Glass se apresenta como “inimiga” de Naofumi e infelizmente essa luta ficará para o próximo episódio.

A nova vilã?

Como sempre, esse anime adora jogar perguntas sem respostas nos telespectadores. O que será a Glass? A verdadeira boss dessa “onda” ou algo mais? Como sempre vamos torcer para obter essas respostas.

8.0 Bom

Finalmente vamos a segunda "onda" de ataques e, pelo menos por enquanto, ainda não vingou todos esses episódios de transição que tivemos até agora. Porém conseguiu render boas cenas de ação e um bom desenvolvimento na história, apesar de continuar jogando novos mistérios e nenhuma resposta.

  • 8
  • Nota dos usuários (2 Votes) 8.5
Compartilhe:

Sobre o autor

22 anos, formado em Propaganda e Marketing. Assistente de Conta em uma Agência de Publicidade. São Paulo - SP. Apreciador da cultura nipônica, além dos animes e mangás tenho vários hobbies como fotografia, escrever e games. PLUS ULTRA!

Deixar uma resposta