terça-feira, agosto 20

Análise – Tate no Yuusha – Episódio 23 – Arquipélago CalMira

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

O inicio de um novo arco! Enfim, vamos para a análise do episódio 23 de Tate no Yuusha – Arquipélago Cal Mira.

Novos personagens

Após um episódio de transição finalmente damos largada para ao que parece ser o último arco dessa temporada. Entretanto, tenho quase certeza que Tate no Yuusha não irá terminar com um final fechado, infelizmente. A segunda temporada ficará dependendo do sucesso da primeira e devo dizer que já não sei mais o futuro dessa série. Todavia, vamos esperar que o sucesso dela continue no Japão!

Começamos o episódio com nossos heróis rumo ao Arquipélago de Cal Mira. E vamos ter um evento de caçada a monstros a lá Mosnter Hunter! De cara somos apresentados a dois novos personagens: L’arc Berg e Therese Alexanderite. Devo dizer que esse episódio me lembrou muito dos jogos de RPG eletrônicos haha novos amigos para a Party!

Skin de caçador e mago! haha

Skin de caçador e mago! haha

Amigos ou inimigos? Tenho certeza que esses dois personagens se tornarão bons aliados a Naofumi e sua party. Aliás, nesse primeiro momento temos uma pequena tensão entre eles, pois L’arc ainda acredita nos rumores falsos sobre o Herói do Escudo. Porém, isso se deve ao fato deles serem estrangeiros e não devem estar a par de toda a situação.

Apesar de tudo, Naofumi não liga por ser taxado pelos rumores falsos e os dois, no final de tudo, acabam não acreditando que ele era de fato o Herói do Escudo. Mas isso com certeza será um usado como um recurso de roteiro mais a frente como uma forma de causar tensão entre os personagens.

Estou sentindo uma treta!

Estou sentindo uma treta!

Arquipélago Cal Mira

Apesar de tudo, a relação entre Naofumi e os demais Heróis continua péssima, mas agora temos um pouco mais de interatividade entre eles. Enfim, ele não consegue explicar aos três que basta acreditar nas habilidades uns dos outros que é possível adquiri-lo instantaneamente.

Antes de chegar no arquipélago, Therese  pede á Naofumi para criar um acessório a partir de uma joia rara. Vamos descobrir se esses dois personagens terão função na história ou vão servir somente para interagir com nossos protagonistas.

Esse episódio realmente lembrou um evento especial de um game RPG haha. Ao chegar no arquipélago é explicado que esse lugar é um agrupamento de ilhas e as regras da caçada de monstros. “Tente matar o maior número de monstros e evite roubar a kill dos outros players” – Muito bom!

O mundo é um jogo?

O mundo é um jogo?

Assim como num RPG

E como em um jogo, nossa party parte para a caçada aos monstros e ganhar experiência. Fazia tempo que Tate no Yuusha não abordava a questão de aumento de experiência e classe. Apesar de que os elementos de RPG nunca deixaram de estar presentes.

Eles percebem que, de fato, mesmos os monstros fracos geram muito mais XP que o normal. E logo conseguem chegar ao level 60 no final desse primeiro dia.

Esse evento, onde a experiência ganhada de cada monstro é dobrada, foi um recurso de roteiro muito bem elaborado para a história. Já se passou um tempo desde a última onda e esse já foi um desafio muito grande para todos. Os Heróis só conseguiram sobreviver, pois existe esse “timer” nos ataques e o inimigos foram obrigados a partir.

Voltando ao level up!

Voltando ao level up!

Estava me questionando como os Heróis iriam conseguir ficar tão fortes para derrotar a Glass na próxima onda, mas Tate no Yuusha é mestre em criar esse recursos que ajudam na história. Apesar de ser clichê e precisarmos suspender um pouco a descrença, esses elementos cabem na história sem causar estranhamento. Porém, só não nos causa estranhamento, pois é comum a nós, que somos “desse mundo”. Para os personagens que moram no universo de Tate no Yuusha deveria sim causar esse sentimento.

Isso de “timer” na onda é muito what the fuck, vamos combinar. Sinto que Tate no Yuusha ainda é um pouco perdido quando se trata de como e quando usar os elementos de jogos dentro do universo. Aliás, me atrevo a dizer que fica muito confuso o quanto os habitantes desse mundo entendem sobre esses mecanismos ou se entendem de fato.

Mudando de ares

No episódio passado ficou claro as mudanças de como o povo vê Naofumi e nesse capítulo esse fato é ressaltado. Nosso protagonista não precisa mais ficar se preocupando em como é visto pelos outros, mas mesmo assim sua postura e personalidade não mudam. E isso é muito positivo!

No final do primeiro dia, Naofumi e sua turma ficam até tarde caçando os monstros. Até L’arc e Therese aparecerem para busca-los, visto que de noite fica muito mais perigoso. Esse foi o sinal, tanto para nós quanto para Naofumi, que esses dois personagens são confiáveis e serão grandes aliados no futuro.

Gostei desses dois!

Gostei desses dois!

Temos um Naofumi bem mais receptível a novas amizades e decidem ir no segundo dia de caça acompanhado pelos seus novos amigos. Esperadamente, L’arc e Therese são ótimos aventureiros e a sinergia entre eles e o grupo de Naofumi é visível. Seria ótimo se eles se tornassem membros permanentes da Party de Naofumi. São personagens muito interessantes!

Infelizmente, no final do segundo dia, Naofumi os convida para continuar a parceria, mas é recusado por ambos. São dois personagens bem misteriosos e creio que veremos muito mais deles nos próximos episódios!

Eles poderiam entrar na party, né? 

Eles poderiam entrar na party, né?

A onda final?

Quem diria que Tate no Yuusha teria um episódio de praia haha. Após chegarem ao nível 70 nossa party resolve tirar o dia de folga e claro que não iriam perder essa chance de colocar Raphtalia e Filo em trajes de banho, né?

Nada mal *-*

Nada mal *-*

Porém a alegria dura pouco. Filo descobre ruínas no fundo do mar e o grupo decide investiga-lo. Dentro desse templo subaquático eles descobrem uma ampulheta do Dragão. E isso significa que essa ilha está dentro do raio de ataque das ondas.

Ao final do episódio descobrimos que a próxima onda está a dois dias de acontecer. Me pergunto se cada ampulheta possui um temporizador distinto. Se não, deram muito mole em não ver antes na ampulheta da capital!

Não viram isso vindo?

Não viram isso vindo?

9.0 Excelente

Sinto que Tate no Yuusha ainda tem muita história para contar e felizmente estamos dentro de um mundo rico em detalhes. Esse novo arco de tate no Yuusha está bem empolgante e ao mesmo tempo servindo de alivio em relação ao arco anterior, que deu uma grande acelerada na história. Sei que a primeira temporada irá deixar a história em aberta estão vamos torcer para que a segunda temporada seja confirmada!

  • 9
  • Nota dos usuários (1 Votes) 9.5
Compartilhe:

Sobre o autor

22 anos, formado em Propaganda e Marketing. Assistente de Conta em uma Agência de Publicidade. São Paulo - SP. Apreciador da cultura nipônica, além dos animes e mangás tenho vários hobbies como fotografia, escrever e games. PLUS ULTRA!

Deixar uma resposta