domingo, novembro 17

Análise – Stranger Things 3

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Que Stranger Things é um sucesso ninguém duvida. Mas após a segunda temporada uma divisão pairava sobre todos nós: será que a série conseguirá se manter? A resposta é simples: Stranger Things 3 chega com tudo.

Definitivamente a primeira temporada foi um dos maiores sucessos da Netflix até hoje, e isso se deve muito em conta a nostalgia  que ela agrega. Esse fator fez com que na segunda temporada só víssemos “mais do mesmo”,  e acabou tornando-a menos interessante que a primeira.

Logo que a terceira temporada foi confirmada, confesso que pensei: “eles não estão sabendo a hora de parar”. Para mim nada disso poderia dar certo.

Antes de mais nada, é com muito prazer que eu afirmo que estava errado. Stranger Things 3 chega para mostrar todo o potencial que a galerinha do barulho tem para nos dar uma boa história.

Stranger Things tem dois vieses, o sobrenatural e o das relações dos personagens e evolução dos mesmos. Essa terceira temporada brilha nos dois.

O inimigo agora é diferente, tanto que o mundo invertido mal aparece na temporada, fazendo uma pequena ponta. O problema agora está mais no mundo real do que nunca.

Todavia o grande brilho da temporada é na relação dos personagens, principalmente entre Eleven e Mike.

Stranger Things 3: Anos 80 e adolescência na flor da pele.

Se a primeira temporada era nostálgicas para a galera dos anos 80, essa foi para todo mundo. Quem, afinal, nunca teve um primeiro romance, ou então se encontrou na “primeira enrascada” amorosa?

Dessa forma, as primeiras cenas a série nos apresenta Eleven e Mike agora como namorados. Consequentemente, Hopper aparece mais ciumento do que nunca, por conta dessa nova relação.

Um grande destaque dessa temporada vai para trilha sonora. Boys and Girls, música de fundo de diversas cenas de Eleven e Mike, perpetua um sentimento nostálgico em quem assiste.

Para mim o ponto principal, o maior brilho dessa temporada, é sem dúvidas a atuação de Millie Bobby Brown (Eleven). Durante toda a temporada, a personagem Eleven teve diversos mix de emoções sentimentos, e cada um deles foi brilhantemente interpretado por Millie.

Da mesma forma, outra grande surpresa dessa temporada foi a personagem Robin. Interpretada por Maya Hawke, que é filha da gloriosíssima Uma Thurman, Robin faz dupla com Steven (Joe Keery). Juntos, os personagens brilham em cenas extremamente divertidas e icônicas da série.

Enfim, Stranger Things 3 se consolida como a melhor temporada da série até então. Afinal, a série atingiu um ápice de glamour em todos os aspectos, sendo uma ótima pedida para assistir no seu fim de semana.

Confira também as nossas análises da primeira e da segunda temporada de Stranger Things!

 

10.0 Obra-prima

A terceira temporada de Stranger Things se consagra como a melhor até então. Ela junta as melhores características das duas primeiras temporadas. Aqui vemos cenas de ação competentes, mistérios envolventes e um cenário pra lá de anos 80. De fato uma temporada maravilhosa, que nos mostra ainda mais o potencial da super-atriz Millie Bobby Brown.

  • 10
  • Nota dos usuários (0 Votes) 0
Compartilhe:

Sobre o autor

Jean Virginio Rocha, 22 anos, formado em design gráfico, trabalhando como programador front-end. São Paulo - SP. Como um amante da cultura pop e principalmente de animes, resolvi criar o Pixel Nerd para expôr minhas opiniões e comentar as atualidades desse maravilhoso universo. Myanimelist: https://myanimelist.net/animelist/Kamizero

Deixar uma resposta